sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Carta aos leitores


Hoje, 1º de janeiro de 2016, o blog Desde que eu me entendo por gente, o Desde, completa cinco anos no ar. Quanto tempo! Talvez, caro leitor, você nem considere esse período muito extenso, principalmente nos dias de hoje, em que tudo é muito rápido. Mas, manter no ar um blog independente, não é fácil. Por isso, a comemoração é válida e necessária. E eu começo a comemorar agradecendo a você, que passa por aqui, com frequência ou eventualmente, que presta atenção nas postagens, que comenta e compartilha as reportagens, entrevistas, vídeos, resenhas, crônicas e artigos. A sua participação é importante, fundamental e, de certa forma, a razão de ser do trabalho que o Desde desenvolve. Digo "de certa forma", porque a função social do jornalismo deve se sobrepor a qualquer pretensão de ter um texto lido por milhares de pessoas; existe algo maior, que é a necessidade de informar. Contudo, ninguém escreve para não ser lido. Por isso, conto com a presença de vocês nos próximos anos. Muito obrigado pela companhia até hoje.



O Desde surgiu com o intuito de exercitar práticas jornalísticas, que são muitas e infinitas. Ao longo de todo esse tempo, o blog se manteve fiel ao seu propósito inicial, tendo sempre a responsabilidade, o profissionalismo e muito respeito ao ser humano como guias. Essa é a base do Desde e ela se manterá imutável. 

Por aqui, se pratica o que se definiu chamar de "jornalismo cultural". Classificações são sempre limitadoras, mas, às vezes, necessárias. "Cultura" é um termo bem abrangente e é assim que o blog se esforça para trabalhar, pois tudo tangencia a cultura, que é uma condição inerente a toda e qualquer sociedade. Por causa disso, o trabalho se torna bastante desafiador. O fato é que a cultura está em tudo e em todos os lugares. O blog entende assim e não abdica do faro jornalístico para escrever as suas linhas. 

O Desde não tem a pretensão de querer se destacar no meio de tantos veículos da mesma natureza, tampouco pretende reforçar conchavos, que, infelizmente, têm tomado conta do nosso jornalismo. Informar com responsabilidade é a maior vaidade deste espaço. A propósito, a "vaidade" é um mal que acomete os jornalistas, principalmente os que trabalham naquilo que se costuma chamar, restritivamente, de "universo cultural". Ele é, de fato, sedutor; mas o jornalista não deve cair em tentação. Essa não é a função do jornalismo. Tem gente que não quer apenas noticiar, quer ser "a notícia". O jornalista não deve querer se tornar maior do que o conteúdo que noticia. O bom profissional, quando aparece, o faz em função de uma razão jornalística. Para informar, não é preciso bajular nem forçar uma intimidade que, muitas vezes, só existe na cabeça do jornalista. Isso não é jornalismo. Atenção!

Agora, é pensar nos novos caminhos para o blog. Tem muita coisa para ser feita. Neste ano, o desafio é tornar as postagens com um caráter ainda mais multimídia, algo que já foi ensaiado na última publicação de 2015, sobre o lançamento da biografia de Milton Santos. Também haverá novas séries de reportagens e entrevistas no Sem Edição e conteúdos inéditos nas seções Desde Sempre, Desde Já, DESDEnhas, Desde Então e RauLendo. Como todo aniversário que se preza tem que ter festa, a do Desde começa a partir do dia 10 de janeiro. Acho que vocês vão gostar. Aguardem! Mais uma vez, muito obrigado e feliz Ano Novo!


Professor de língua portuguesa
Jornalista
Blogueiro
Estudante de Produção Cultural (UFBA)








Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

0 comentários:

Postar um comentário

Copyright © Desde que eu me entendo por gente

Design by Josymar Alves