quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

O Axé dançou?

Desde visita academias de Salvador para saber se o suingue ainda é baiano e discute a tão falada crise da Axé Music

Aula de suingue baiano, na Pró Saúde Academia, em Paripe. Foto: Raulino Júnior

Por Raulino Júnior ||Reportagem Especial|| 

Quando se fala em Axé Music, é natural pensar numa música dançante, feita para pular e que, quase sempre, traz coreografias fáceis de aprender. Neste ano, o gênero, que é apenas mais um segmento artístico dentro do universo musical da Bahia, comemora 30 anos de vida e vê o seu nome associado a uma crise de criação bastante evidente para alguns e não percebida por outros, principalmente artistas e empresários do ramo. A fim de investigar se o estado de crise é real, o Desde resolveu visitar as aulas de suingue baiano de cinco academias de Salvador para saber se, de fato, o suingue ainda é baiano.

Origens

As aulas de suingue baiano se popularizaram no início dos anos 90, do século passado, juntamente com a ascensão e  consolidação da Axé Music, vertente da música baiana que ganhou o Brasil a partir de 1985. Sucesso nas academias, as aulas costumam atrair homens e mulheres que querem se exercitar, perder peso ou aprender as coreografias das músicas mais tocadas do momento. Nessa seara das "músicas mais tocadas do momento", hoje em dia, a Axé Music coexiste com o funk, o sertanejo, o forró, o arrocha e as músicas de artistas internacionais. O repertório das academias é pensado, principalmente, levando em consideração as músicas que estão tocando no rádio ou que fazem parte da trilha sonora das novelas. O professor Eric Araújo, o Pincel, 27 anos, da F4 Academia, que fica no bairro de Nazaré, elenca três pontos primordiais para colocar uma música no seu repertório: "Primeiro, eu busco o lance comercial, as músicas que estão tocando nas rádios; o segundo ponto é buscar coreografias que tenham um lado metodológico, com indicações como 'direita, esquerda, em cima, embaixo'; por último, é o lado fitness. A gente busca, dentro do repertório, oscilações de ritmos que vão auxiliar na frequência cardíaca do aluno e, consequentemente, num maior gasto calórico". Ou seja, um prato cheio para o Axé, que, em parte, atende a todos os requisitos citados por Pincel. Contudo, para ele, que dá aulas de suingue baiano há cinco anos e trabalha em seis academias, o Axé Music se modelou negativamente para as aulas de dança. "O axé deixou de ser um show interativo para ser um show expositivo. Antigamente, eram coreografias que induziam o público a dançar e participar do show e isso era muito fácil de a gente reproduzir dentro da sala de aula. O que eu percebo é que o axé se tornou mais expositivo e começou a excluir um pouco a dança participativa para ter uma dança espetáculo. Eu não estou dizendo que isso é ruim, estou dizendo que o axé mudou um pouco a sua raiz", esclarece.

Eric Araújo, o Pincel, e parte de seus alunos posam após mais uma aula de suingue baiano, na F4 Academia. Da esquerda para a direita: Heliana Conceição, Thawant Teixeira, Pincel e Cíntia Daiana. Foto: Raulino Júnior

A F4 Academia foi fundada em 2012 e, desde então, oferece aulas de suingue baiano. De acordo com França Maria, 38 anos, que é administradora do espaço, a decisão de colocar as aulas na grade da academia partiu, principalmente, pela demanda. "No Centro, é muito forte a procura. As pessoas já vêm à academia procurando saber se tem aula de suingue baiano. Então, é o nosso carro-chefe", admite. Em média, 16 a 18 alunos frequentam a aula na F4. Segundo França, o Axé continua predominando no repertório, mas, na opinião dela, para o gênero se manter em alta no futuro, deve fazer um retrocesso. "Acho que ele chegou a um ponto que evoluiu tanto que, agora, está regredindo, voltando às origens. O É o Tchan está voltando a cantar as músicas antigas, os grupos antigos estão voltando porque eles perceberam que aquele axé, lá do comecinho, fazia e faz muito mais sucesso do que, digamos, a baixaria que estão fazendo hoje em dia. Eu acho um retrocesso bem inteligente e acho que o axé não acaba nunca".

França Maria, administradora da F4 Academia. "O suingue baiano é o nosso carro-chefe". Foto: Raulino Júnior

Vivendo do que já foi

A professora Dérica de Assis, 40 anos, que dá aulas em quatro academias, também acha que o Axé não vai acabar, mas pondera: "Nas minhas aulas, o axé predomina, mas eu faço um resgate porque, hoje, os artistas não lançam músicas que contribuam para a gente selecionar um repertório legal e colocar numa aula de 1h. Hoje em dia, realmente, está essa decadência. O axé vive do que já foi", avalia. Dérica tem 22 anos de profissão e dá aulas de suingue baiano há 15. Na Jump Cat Academia, localizada na Avenida Sete de Setembro, ela é professora de zumba. Por sinal, a Jump Cat é, das cinco academias visitadas, a única cuja aula não recebe a denominação de "suingue baiano". Mas, o que é a zumba? "É a reunião de vários ritmos latinos, como bachata, merengue, reggaeton e salsa", afirma Santiago Sales, 23 anos, um dos professores da Jump. Nesse sentido, o suingue da Bahia é incorporado à zumba nas aulas de Dérica, o que tem agradado aos alunos. "Fiz a primeira vez e fiquei apaixonada, porque é dinâmica, divertida e trabalha o corpo todo; principalmente o aeróbico, a coordenação motora e a resistência", conta a entusiasmada Lindinalva Berlink, de 51 anos, que é professora de educação física e estudante de biomedicina. Ela só não gosta de "pagode baixo-astral".

Lindinalva Berlink. "Gosto de axé, só não gosto de pagode baixo-astral". Foto: Raulino Júnior

Na Jump, Dérica dá aula de zumba em parceria com o professor Ubiratan Sá, de 28 anos, que trabalha com suingue baiano desde 2013. Ubiratan é um crítico contumaz da atual cena da Axé Music e diz que, pela experiência que tem, a adesão às aulas dessa natureza foi diminuindo ao longo do tempo. "Está um pouco decadente. Eu estou pegando música antiga, de dois, três anos atrás e nada de baixaria. Hoje em dia, o pagode tem muita baixaria e algumas músicas do axé estão partindo para o lado do pagode".

Dérica e Ubiratan, professores de zumba da Jump Cat Academia. Foto: Raulino Júnior

O profissional de educação física Charles Fraga, 45 anos, dono e administrador da Jump Cat, decidiu colocar aula de dança na academia porque a modalidade costuma atrair muitos alunos. "Desde o início da academia, há 8 anos, a gente oferece aula de suingue baiano. Há uma ano e três meses, apostamos na zumba. Decidi colocar dança aqui porque atrai muito mais aluno e chama mulher para academia. Nem todo mundo quer fazer musculação", garante. Cada aula de zumba na Jump Cat tem, em média, cerca de 15 a 20 alunos.

Charles Fraga, dono e administrador da Jump Cat Academia. "As aulas de dança chamam mulher para a academia". Foto: Raulino Júnior

Suingue misturado

O professor Alex de Oliveira, 37 anos, mais conhecido como Leleco, dá aula de suingue baiano há 10 anos e trabalha em oito academias. Entre elas, a Academia Alabama Fitness, que fica nos Barris. As aulas de Leleco são sempre cheias, com uma média de 25 alunos. O repertório é selecionado tendo como parâmetro as músicas que tocam nas rádios e as que fazem sucesso nas novelas. Embora admita que o axé predomine nas suas aulas, Leleco diz que o suingue não é mais só baiano. "Misturou. A música baiana virou mistura. A essência não é tão forte como era o Olodum, que era o pilar da coisa. O Ilê Aiyê, com aquele suingue gostoso. Hoje, você não vê muito isso. Nas aulas de dança, predomina o ritmo baiano, mas você vê muito funk. O próprio pagode baiano está sendo baseado no funk". Há nove anos, Leleco mantém o projeto Dance com Leleco, que acontece sempre aos domingos, às 10h, no Farol da Barra. A ação é tão bem-sucedida que já chegou a reunir cerca de 150 pessoas. Hoje, ela integra o projeto Ruas de Lazer, capitaneado pela Prefeitura de Salvador em parceria com o Shopping Barra.

Leleco (na frente, com camisa de manga comprida) e sua turma da Academia Alabama Fitness. Foto: Raulino Júnior

Quem tem uma opinião semelhante à de Leleco é o professor da Espaço 10 Academia, que fica no Campo Grande, André Teixeira, 22 anos. A proposta da aula dele é a de misturar ao máximo os ritmos, mas o pagode e o samba predominam. "O suingue não é mais totalmente baiano. Hoje, você vê o crescimento do sertanejo, que deu uma misturada com o arrocha que surgiu aqui na Bahia. Numa aula, você pode encontrar pagode baiano, axé, ritmos latinos e até hip-hop norte-americano. Com a globalização, músicas que tocam em outros lugares chegam com mais facilidade a nosso estado". André ainda afirma que, quando começou a dar aulas, em 2010, a música baiana era quase que exclusiva no repertório. "Tinha quase que 100% de música baiana. Mas, como falei, com a globalização, não dá para ficar somente nela". Ele é professor de suingue baiano das duas unidades da Espaço 10 (Piedade e Campo Grande). Na do Campo Grande, que é a filial, tem uma média de 8 a 12 alunos. Na matriz, a média é de 25 pessoas por aula.

André Teixeira (sentado) e os alunos da Espaço 10 Academia, unidade do Campo Grande: ele aposta na mistura de ritmos. Foto: Raulino Júnior

Desde quando foi fundada, em 2000, a Espaço 10 oferece aula de dança e a modalidade se tornou, como assegura Manoelito Magalhães, de 51 anos, "o carro-chefe da academia". Manoelito administra a unidade do Campo Grande, que é um pouco mais nova, com oito anos de atividade, e traz um depoimento que revela que as aulas de suingue baiano servem de iscas para os baianos frequentarem a academia. "Quando as pessoas vêm procurar a academia, principalmente o público baiano, a primeira coisa que pergunta é: 'Tem suingue baiano?'". Porém, na opinião dele, a Axé Music estagnou. "Não houve renovação, a fórmula ficou a mesma coisa. Os mesmos cantores fazem sucesso. Hoje, se resume a quê: cinco, seis, né?", questiona.

Manoelito, administrador da Espaço 10 Academia: "O Axé não se renovou". Foto: Raulino Júnior

Para Dhieggo Astral, 30 anos, professor da Pró Saúde Academia, em Paripe, o pagode baiano tomou o espaço do Axé. "O Axé permitiu isso. Não inovou". Com 11 anos de experiência e, atualmente, dando aula em cinco academias, Dhieggo seleciona o repertório tendo como referência as músicas que tocam no rádio. "Vejo o que está bombando em cada região e faço um repertório eclético, mas boto mais as coisas que rolam aqui na Bahia". Dhieggo não se considera mais um professor de suingue baiano, mas, sim, de fitdance. "É uma aula de ritmos, mais elaborada". No Portal FitDance, a modalidade é descrita como "um programa que através dos diversos ritmos musicais torna a prática de atividade física mais divertida através da dança". Por isso, para o professor da Pró Saúde, o suingue deixou de ser baiano e ganhou o mundo. "O suingue passou a ser mundial porque, se a galera prestar atenção nos sites de vídeo, como o YouTube, vai ver que no mundo todo, hoje, tem aula de suingue baiano; que nasceu justamente aqui na Bahia, aqui no Brasil".

Dhieggo (o 4º, da primeira fileira, da direita para a esquerda) e os alunos da Pró Saúde Academia: aula de fitdance. Foto: Raulino Júnior

 E a crise?

Levando em consideração o universo das academias, com a Axé Music ainda predominando no repertório e as aulas de suingue baiano sendo bastante frequentadas, há alguma razão para falar em crise? Pincel, da F4, pondera: "Só que, hoje, a gente tem a invasão do arrocha, do funk carioca, Anitta, Naldo e os alunos cobram a inserção dessas músicas nas aulas, o que vai tomando o espaço do axé. Eu tenho, às vezes, até metade do repertório preenchido por músicas que não são provenientes do axé. Então, isso, eu considero que é um reflexo do que estão chamando de crise". Dérica, da Jump Cat, vê o aspecto econômico da coisa como justificativa para a atual fase do Axé. "Parece que a Axé Music se prostituiu, no sentido de que só visam o dinheiro e esquecem do poder das letras, da poesia, da nossa cultura e de falar da nossa história, como o Olodum sempre fez. Eu estou bem decepcionada. Pode ser que melhore ou pode ser que não, que continue nessa mesma situação; marketing", desabafa.

Em enquete promovida pelo site da Espaço 10 Academia, o Axé está em 3º lugar na  preferência de qual gênero musical as pessoas gostam de ouvir enquanto malham. Num universo de 67 votantes, obteve 10.4% dos votos, ficando atrás de "Música Eletrônica" (55.2%) e "Outros" (20.9%). Captura de tela feita em 5 de fevereiro de 2015.

Em entrevista concedida pelo Twitter, o cantor e compositor Tierry Coringa, 25 anos, que deixa a banda de pagode Fantasmão após o carnaval para seguir carreira solo, assegura que não há dúvidas de que o Axé esteja em crise. "Sem dúvida, há uma crise na música baiana (Axé) como um todo. Crise financeira e de identidade musical. O momento é crítico. O Axé parou no tempo e sua sonoridade já não agrada mais como antes. Acho que temos que respeitar o tempo. Espero que melhore". Tierry, que já foi gravado por artistas reconhecidamente da Axé Music, como Claudia Leitte, Ivete Sangalo, Psirico, Léo Santana, Timbalada, e Cheiro de Amor, só para citar os de maior expressão na atualidade, pretende unir o ritmo bachata com o groove da Bahia em sua carreira solo.

Vera Lacerda, fundadora do bloco e da banda Ara Ketu, concorda com Tierry no que diz respeito à existência da crise no Axé. Em entrevista via Facebook, ela não poupou palavras para falar sobre a situação do gênero musical. "Não poderia dizer que o axé  não está em crise, pois isso é uma coisa latente no momento. Acho que a música da Bahia passou por um momento de acomodação e isso implicou numa falta de criatividade e mesmice. Graças a Deus que, em meio a crise, as pessoas sentiram a necessidade de investir na criatividade e qualidade do que sabemos fazer. O Ara Ketu, por exemplo, estará investindo nessa mudança, pois estamos trabalhando no resgate cultural do nosso trabalho", revelou. Vera se refere à nova formação do Ara Ketu, que terá Érico Brás e Tonho Matéria como vocalistas.

A propósito, Tonho Matéria também foi procurado pelo Desde para comentar sobre a tão falada crise da Axé Music. Por e-mail, o cantor e compositor enviou um significativo relato falando sobre a temática. Por questões editoriais, o blogue decidiu reproduzir na íntegra o texto do artista. Dessa forma, o Desde cumpre a sua função de noticiar com ética e responsabilidade. A seguir, o relato de Tonho.


Com a palavra, Tonho Matéria

Foto: Sandra Câmera

"A maior base da Axé Music foi a música dos blocos afro que, com suas letras voltadas ao conhecimento cultural, transformou não só a Bahia, mas o Brasil. Essa música fez diversos artistas e bandas se tornarem de ponta no país, enquanto os blocos afro permaneceram no mesmo lugar, insistindo e acreditando na proposta que tinham, a de conservar a tradição e o legado. 

Depois que as grandes bandas e artistas começaram a fazer sucesso no país, o olhar do empresariado se tornou mercadológico e, assim, fomentou o desejo de ganhar dinheiro. Desse modo, o dinheiro, juntamente com a ambição do quero mais, matou a 'galinha dos ovos de ouro'. Os grandes compositores deixaram de ser gravados porque produtores e intérpretes passaram a compor. As micaretas espalhadas pelo Brasil passaram a ser festa indoors e, nestes espaços, só entravam artistas que faziam parte do cast de determinadas empresas, 'grupo de empresários'.

Assim, a crise começou a acontecer. A Axé Music deixou de ser música de interesse mercadológico, porque esses empresários já estavam migrando para outros movimentos, como, por exemplo, o sertanejo, o pagode, o arrocha e tudo que venha a ser universitário. A crise não está só na Axé Music, está em tudo que essa galera [o empresariado] toca. Tanto que, para se fazer um grande show, é preciso juntar dezenas de artistas para lotar um espaço. Com o Axé em alta, um só artista conseguia lotar o espaço com mais de 30 mil pessoas. Então, para mim, não procede dizer que o Axé está em crise. Como um segmento vive em crise com seus artistas ganhando prêmios internacionais e nacionais? No Melhores do Ano, do Domingão do Faustão, a artista Claudia Leitte ganhou como a melhor cantora do ano e, junto com ela, estavam concorrendo Ivete Sangalo e a cantora Paula Fernandes, a única do gênero sertanejo. Então, como é que um gênero desse está em crise? O que acontece é que as pessoas não acreditam mais na força e sinergia do Axé Music, porque foi um gênero que já surgiu renegado e sendo tratado como qualquer coisa por um determinado jornalista aqui na Bahia.

Se hoje existe uma crise no Axé Music, é como em qualquer outro gênero. Mas,  não é uma crise mercadológica e, sim, ideológica. Se as rádios voltarem a tocar esse estilo de música, principalmente aqui na Bahia, acontecerá uma nova revolução. A prova disso é o grupo É o Tchan, que voltou com força total. Por isso, aguardem o Ara Ketu com Tonho Matéria e Érico Brás no comando.

Tonho Matéria"

________________________________________________________________________________

Posicionamento do CREF sobre as aulas de suingue baiano


De acordo com o presidente do Conselho Regional de Educação Física (CREF), Paulo César Vieira Lima, 60 anos, a aula de suingue baiano é uma atividade física que deve ser ministrada por profissionais de educação física devidamente registrados no sistema CONFEF (Conselho Federal de Educação Física)/CREFs, conforme determina a Lei 9696/98. Segundo Paulo, os profissionais de dança também podem ministrar as aulas, desde que estejam registrados no mesmo sistema citado anteriormente. "O CREF fiscaliza todas as atividades físicas e esportivas e as academias devem ter registro no CREF e um responsável técnico", alerta. Paulo César preside o CREF desde 2008, eleito pelos profissionais de educação física em três eleições consecutivas.

O Desde entrou em contato com a direção da Escola de Dança da Universidade Federal da Bahia (UFBA) para saber o posicionamento da unidade sobre as aulas de suingue baiano nas academias e, até o fechamento desta reportagem, não obteve resposta.

 Hoje em dia, as academias estão bastante preocupadas em atender aos critérios estabelecidos pelos órgãos reguladores e os profissionais da área sabem da importância do aprimoramento. Dérica, da Jump Cat, tem um histórico de cursos de dança no currículo e vai começar a graduação em Educação Física, na Faculdade Social da Bahia. Nessa mesma instituição, estudam Pincel, da F4; Leleco, da Alabama Fitness e André, da Espaço 10. Dhieggo, da Pró Saúde, fez curso de fitdance, promovido pela empresa FitDance. Santiago, da Jump Cat, se formou em Educação Física no ano passado, pela Universidade Federal da Bahia. Charles, o dono da academia, também tem formação na área. Em 2003, concluiu a graduação em educação física na Faculdade Católica de Ciências Econômicas da Bahia (FACCEBA).

Santiago Sales, da Jump Cat, é profissional de educação física formado pela UFBA. Foto: Raulino Júnior

Carla Marques, 33 anos, administradora da Alabama Fitness desde os 18, faz questão de ressaltar que a academia tem a preocupação de colocar profissionais da área acompanhando os alunos. "Aqui tem vários profissionais de educação física para acompanhar os alunos. Cada turno tem um professor. Temos dois estagiários da área também". Na mesma linha pensa França Maria, da F4. "Em todos os horários nós temos professores e todos são formados em educação física. Temos alunos de educação física, que estagiam aqui. Além disso, meu irmão, que é sócio da academia, é profissional de educação física". França é formada em administração, pela Faculdade da Cidade do Salvador.

 *

Curiosidade: as aulas de suingue baiano são ministradas, predominantemente, por homens e frequentadas, de forma hegemônica, por mulheres. Das cinco academias visitadas pelo Desde, apenas a Jump Cat tem uma mulher coordenando a atividade, Dérica. Mesmo assim, ela dá aula em parceria com Ubiratan.

_________________________________________________________________________________

Esta reportagem foi produzida no período de 7 a 20 de janeiro de 2015.









Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

3 comentários:

  1. Parabéns pela pesquisa!! Muito boa.

    A parte que me tocou diretamente foi a entrevista com o CREF. Sou contra a necessidade dos profissionais de dança, terem a necessidade de participar de um conselho de Educação Física. A dança é uma linguagem muito ampla, que envolve muito mais do que apenas uma atividade física. A verdade é que existem muitas questões envolvidas aí... e que merece maior atenção dos profissionais de dança.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Naiane! Imagino que deva ser uma "batalha" muito grande. O que é sempre bom é fomentar o debate. Continue acompanhando as postagens. É importante para mim. Grande abraço!

      Excluir

Copyright © Desde que eu me entendo por gente

Design by Josymar Alves