domingo, 14 de agosto de 2011

GILMELÂNDIA RESPONDE PERGUNTAS BASEADAS NAS CANÇÕES DE CAETANO VELOSO



IEntrevista
A cantora Gilmelândia, 35 anos, emocionou o público do Teatro Castro Alves na manhã deste domingo. Gil, como é mais conhecida, apresentou aos soteropolitanos o show Gil canta Caetano, que fez parte do projeto Domingo no TCA. Além de ser muito aplaudida durante o espetáculo, a cantora surpreendeu a todos que foram prestigiar o concerto pela execução de arranjos ousados para as músicas de Caetano Veloso, com a introdução de elementos de rock’n’roll e de forró, e também por causa de sua excelente atuação como intérprete. Dessa forma, o show se tornou uma representação genuína de Música Popular Brasileira e Gil se consolidou como expoente da música baiana. A emoção tomou conta dela e da plateia que acompanhava, atentamente, cada canção executada. Após a apresentação, a cantora concedeu entrevista exclusiva para o Desde que eu me entendo por gente. Por opção editorial, o blogue decidiu publicar todas as reações da artista durante o bate-papo, principalmente para manter algo que é muito peculiar em Gil: a espontaneidade. Boa leitura.



Desde que eu me entendo por gente: Quando você canta Caetano, alguma coisa acontece no seu coração?

Gilmelândia: (Ri) Adorei essa! Claro que acontece e dá para todo mundo sentir. É como se todos os meus órgãos se mexessem e viessem comigo. Eu coloco muita força, é muita emoção. Fico o tempo inteiro querendo chorar, porque as canções são lindas e eu estou sem palavras. Foi um show maravilhoso, o povo é fantástico, as letras de Caetano... Ele é um artista sem comentários. Estou muito feliz em poder homenageá-lo em vida, que é muito importante.

DQEMEPG: A mente apavora o que ainda não é mesmo velho?

Gil: Ah, com certeza, né? Porque, você sabe que, para fazer um show desse, há muitas dificuldades. A gente começa a ensaiar, foi em cima da hora, tipo um mês para acontecer tudo. Mas eu disse: sabe de uma coisa? Eu vou fazer. Teatro Castro Alves, essa coisa toda assusta, mas na hora eu esqueci as dificuldades e deu tudo certo. Graças a Deus. O público amou e esse show foi muito importante para mim.

DQEMEPG: Na canção Gente, Caetano fala que “cada estrela se espanta à própria explosão”. Com você, aconteceu isso?

Gil: Sempre acontece isso. A cada flash, a cada beijo, a cada vez que as pessoas me chamam e quando aplaudem e gostam do que eu faço. Aí, dentro da gente, dá aquela explosão mesmo de alegria, de felicidade e de prazer de estar fazendo. Como eu falei no palco, que a música nasceu primeiro em minha vida. Então, é uma explosão mesmo a cada momento.

DQEMEPG: O que você acha dos homens que ainda insistem em exercer os seus podres poderes?

Gil: Horrível, né? Eu acho que na vida a gente tem que investir no outro. Eu falei isso no show e sempre falo por onde passo. Quando a gente não investe a vida no outro, não faz o bem para o outro — até com um abraço, com um beijo, um aperto de mão, um bom dia — é muito ruim. Principalmente, quando você tem poder. Você tem que pegar esse poder para ajudar e não para fazer o mal e só ajudar a si próprio, mas ajudar ao outro.

DQEMEPG: Você já passou alguma situação semelhante àquela narrada por Caetano na música Eclipse Oculto?

Gil: (Hesitante) Já! Mas passa, né? Na vida tudo passa, tudo passará . Ou bom ou ruim, tudo passa. O importante é a gente seguir em frente.

DQEMEPG: O nome do blogue é "Desde que eu me entendo por gente" (Gil gargalha). Por isso, quero que você complete esta frase: Desde que eu me entendo por gente...

Gil: Que eu amo cantar e estou muito feliz em estar há 25 anos fazendo isso.


# Foto: Divulgação.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

2 comentários:

Copyright © Desde que eu me entendo por gente

Design by Josymar Alves