segunda-feira, 13 de junho de 2011

UM LIVRO CHEIO DE BOAS HISTÓRIAS

IResenha



O livro A vida que ninguém vê, de Eliane Brum, é uma obra recheada de histórias interessantes. Com uma escrita bastante peculiar, a autora convida o leitor a embarcar numa viagem repleta de acontecimentos comuns, mas vividos por pessoas que não são percebidas pela sociedade. O livro nasceu da reunião de crônicas publicadas na coluna A vida que ninguém vê do jornal Zero Hora. A obra consta de sumário, prefácio (assinado por Marcelo Rech), posfácio de Ricardo Kotscho, um relato da autora sobre jornalismo, uma seção de agradecimentos e, por último, os créditos das imagens que ilustram o livro. Eliane Brum é jornalista, formada pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Coleciona uma série de prêmios nacionais e internacionais pelas suas reportagens, entre eles o Esso, o Vladimir Herzog, o Ayrton Senna e o da Sociedade Interamericana de Imprensa. Foi vencedora, em duas edições (2006 e 2008), do prestigiado Prêmio Comunique-se. Eliane trabalhou no tradicional jornal Zero Hora (onde começou a carreira jornalística) e, durante dez anos, foi repórter especial da revista Época. Em março deste ano, a jornalista se desligou da revista para se dedicar a projetos independentes. Porém, o desligamento não foi total, porque Eliane mantém a coluna Nossa sociedade no site do periódico, que é publicada todas as segundas. Além de A vida que ninguém vê, Eliane Brum é autora dos livros Coluna Prestes – o avesso da lenda (1994, Artes e Ofícios) e de O olho da rua (2008, Editora Globo). Inquieta, produziu o documentário Uma história Severina (2005), que também foi bastante premiado.

Quem abre o livro A vida que ninguém vê, de Eliane Brum, se depara com histórias emocionantes, em que o humano torna-se mais humano, em que a simplicidade é uma protagonista constante, em que viver, independentemente dos percalços que possam existir, vale a pena. Isso se dá pela própria carga da narrativa, pelo uso de metáforas e, claro, pelo talento de Eliane em escrever e em saber prender o leitor nas suas linhas. Mas isso não é feito premeditadamente, acontece de maneira natural. A leitura é feita de uma forma rápida e prazerosa. A autora capricha no uso de frases tocantes e dialoga, com muita propriedade, com os elementos literários. As crônicas do livro ganham força dramática pelas descrições e detalhes colocados por Eliane em cada parágrafo. Durante a leitura, a vontade de quem lê é a de conhecer cada personagem citado pela escritora, é a de caminhar pelos caminhos cheios de situações publicáveis de Porto Alegre, é a de saber quais são os outros relatos que serão apresentados por Eliane Brum no decorrer da obra. O grande mote da autora foi, justamente, o de escrever sobre pessoas comuns, mas que possuíam narrativas instigantes. E, nesse aspecto, Eliane se sentiu muito confortável em registrar as histórias, porque é uma jornalista que sempre busca o diferente, o não-feito. Dessa forma, consegue dar um ângulo novo para assuntos considerados banais e, assim, faz as reportagens serem mais interessantes. Isso fica bastante evidente com a leitura de A vida que ninguém vê. A autora consegue transformar em clássicos, temas debatidos com exaustão pelos veículos de comunicação. Nesse sentido, histórias de pessoas que nunca voaram, da solidão presente num quarto de hospital, de crianças que perambulam pedindo esmolas no trânsito, dentre outras, ganham vivacidade nas mãos de Eliane Brum.

Todas as crônicas devem e merecem ser lidas, mas a que mais impressiona — principalmente, pela qualidade literária — é a intitulada Eva contra as almas deformadas. Nela, Eliane usa toda a sua singeleza e perspicácia para narrar uma história que trata de preconceito e discriminação. Em contrapartida, traz lições de perseverança dadas pela personagem principal do caso. Para os mais curiosos, o melhor conselho é se debruçar sobre a obra e ler. Qualquer tentativa feita aqui, mínima que fosse, não daria a dimensão do texto apresentado por Eliane no livro, muito menos de toda a idiossincrasia presente na história de Eva.

Quem lê a obra, conclui facilmente que se trata de um texto produzido por uma pessoa que tem muito amor pelo que faz, uma pessoa que tem prazer em descobrir histórias. Isso é confirmado, desnecessariamente (porque, quem embarca na leitura, percebe), pelo texto de Ricardo Kotscho apresentado no posfácio e também pela própria Eliane, no seu relato sobre jornalismo (que é uma verdadeira declaração de amor à profissão).

Eliane Brum, que é uma das jornalistas mais premiadas de sua geração e até mesmo do país, usou de toda a sua sensibilidade para escrever o livro A vida que ninguém vê. Não bastaria, apenas, ter uma boa técnica jornalística para produzir as crônicas. Era preciso que essa técnica viesse aliada a um fazer diferente e a uma preocupação com o mundo circundante. Mas não uma preocupação piegas, mas um olhar diferente para pessoas tão iguais como outras quaisquer. Enfim, a obra de Eliane Brum é um marco na história do jornalismo literário e uma obra-prima para aqueles que têm paixão por essa atividade profissional.

# BRUM, Eliane. A vida que ninguém vê. Porto Alegre: Arquipélago Editorial, 2006. 208 p.
Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

Um comentário:

  1. Raulindo, meu filho, você agora me deixou em uma sinuca de bico, como dizia meu avô. [risos]
    Comprei a menos de um mês e comecei a ler com todo esse apreço que você relata no texto, no entanto, tive que dar uma pausa por conta dessa vida corrida e a falta de tempo, coisas de final do semestre. Agora, depois de ler esse post, me sinto "obrigado" a voltar a ler o quanto antes, e o farei. vinte minutos de sono não farão tanta diferença. Obrigado por esse presente!

    ResponderExcluir

Copyright © Desde que eu me entendo por gente

Design by Josymar Alves